Adventure – Um clássico da Pré-história dos jogos de aventura

18 06 2010

Título: Adventure
Sistema: Atari 2600

Vejam, meus caros leitores, como o tempo e os fatos podem ser cruéis com a fantasia das crianças, principalmente nas quando se tem ilusões causadas pelo nosso país e sua eterna pirataria.

Qualquer jogador mais idoso como eu já deve ter jogado, visto ou ouvido falar de Adventure, um clássico do Atari 2600. Uma dos “charmes”, se é que podemos falar assim, dos jogos desta época é que as imagens não eram definidas, ou seja, o jogador tinha que contar com sua imaginação, quando no máximo poderia ser auxiliado a entender o que acontece na tela com ajuda da arte da caixa e  do manual de instruções.

Claro que desde do tempo do atari a maioria dos jogos que rodavam Brasil a fora eram piratas. No meu caso, o Adventure veio num 4 in 1, famosérrimos no atari, onde haviam dois interruptures no cartucho, e o jogo era selecionado fazendo-se combinações de posições deste interruptures. Isso implica que eu não tinha nenhuma arte relacionada ao jogo, e nunca tinha visto nada sobre ele nas raras publicações de Atari da época, o que me fez criar tudo o que acontece na minha mente… Acompanhe esta bizarra fantasia infantil de um garoto de 5 anos, de volta a 1986, a época em que ganhei o Atari.

O QUE EU PENSEI

Era uma vez o Sr. Quadrado, ele vivia feliz na quadradolândia.

O Sr. Quadrado tinha um "ploblema". Ele gostava muito de taças do mundo de futebol.

Disposto a pegar uma nova taça, o senhor quadrado vai para uma missão, onde enfrenta terríveis patos carnívoros que adoram comer quadrados, e um urubu que insiste em roubar seus itens(urubu?!)

Com sua picareta, o quadrado mata o pato mau e com seu atravessador de paredes, engana o urubu

e agora o sr.quadrado pode comemorar sua propria copa do mundo.

Snif Snif! que apropiado para o momento… Agora vejam como era o jogo.

E o que os criadores realmente queriam mostrar…

AAAAAAAAAGH! DESTRUIRAM MINHA INFÂNCIA FELIZ!

Depois dessa não vou nem resenhar o jogo… Mas basta dizer que o modo 1 qualquer um termina, o modo 2 terminei raras vezes com muita dificuldade(urubu maldito!) e o terceiro é praticamente impossível!!!!

Anúncios




Mais retro chegando no Wii

4 06 2010

Logo mais, um novo jogo de 8 bits estará disponível no Wii. Seria um GTA de NES?!





Rockin´Kats – The New York Yankess

1 06 2010

Vou colocar por aqui uma série de resenhas sobre alguns jogos que eu comprei durante os anos 80 e início de 90.

Título: NY Yankess / Rockin’Kats
Publicado em 1991
By Atlus
Console: Nes

Isso é um jogo de plataforma – Diversão com roteiro descompromissado. No papel de Willy the Cat, um gato músico que toca numa banda de jazz(?!?) que está sendo atormentado por uma gangue de cães gangsters(hahah!) comandado pelo chefão Mugsy.

Mesmo sendo um jogo de plataforma, Willy não tem o tradicional pulinho na cabeça. Sua arma é um revolver que parece de brinquedo mas dá um soco mortal. O revolver pode ser upgradeado na loja de itens pra atirar bombas, soltar tiros, substituir o soco por uma massa(!) e ainda há um jatinh opro salto de Willy ficar bem leeeeeeve! O revolver também pode ser usado para dar impulso ao pulo de Willy ou fazer um ataque pelas costas, batendo nas plataformas do cenário e jogando o bichano contra inimigos. Enquanto Willy estiver usando qualquer forma do revolver, excluindo a massa, é possível também se agarrar em certos pontos do cenário para girar e fazer um pulo gigante, ou ainda agarrar certos projéteis como vasos ou garrafas, bastando segurar o botão de ataque.

Willy caindo com pose baitola

Durantes todas as fases, um membro qualquer da gangue sequestra a gata gostosa Jill (furrie lovers!). Cabe a Willy selecionar o local do resgate que pode na cidade, aeroporto, parque de diversões e velho oeste. Após estes ambientes surge também a cidade de New York New York!

As fases não são muito pequenas e em cada uma a variedade ambientes é grande, por exemplo a cidade te leva as ruas, esgotos e o metrô, enquanto o parque te leva a entrada do parque, a um cemitério, montanha russa, e uma casa maluca. Sempre na metade do caminho, surge um sub chefe, ou seja são dois chefes por fase, sendo que na última além do chefe e sub chefe, há uma revanche de todos os chefes e sub chefes anteriores (EITA MAH!)!

Bem vindo a Felizlândia... ou seria a Disney?

Outro destaque das fases é que a dificuldade varia de acordo com a ordem que você segue, ou seja a águia gigante do velho oeste morre mais rápido se a fase for a primeira a ser encarada. Mas não apenas isso, novos inimigos podem surgir durante o caminho: na fase da cidade, se encarada com oterceira ou quarta fase, haverão inimigos na lata do lixo, uns carinhas que jogam bombas, e essa variação acontece em todas as quatro fases do inicio, ou seja, cada vez que você jogar é interessante mudar a ordem para poder ver tudo que as fases podem oferecer.

Opcionalmente é possível visitar as fases de bonus que são um roleta, um jogo de encestar o Willy feito uma bola de basquete e um tiro ao alvaro que é o mais fácil pra se entupir de grana!

O gráfico é muito bom pra época e pro padrão do console, mas há um ponto que vale destacar – o character desing muda de acordo co ma versão. Na japonesa são furries estilo mangá, e na americana cartoon. Tirando esse detalhe e o texto, os jogos são idênticos. Eu tinha a versão japonesa acreditem ^_^

Chefe - indígenas fazendo a dança da chuva: Ataque somente o macumbeiro em cima do tótem. Os outros dois são apenas as "armas" dele.

A magavilhosa trilha sonora segue o roteiro, ou seja é jazz do começo ao fim, claro tudo ao estilo NES.

Isto não é um jogo, é uma manifestação divina. Programado por Jesus, dirigido por Deus… Pena que a Atlus pouco investiu em jogos de plataforma.

PS – Há uma sexta fase secreta super difícil. Quando o jogo acabar espere alguns minutos na tela final com a cara do Willy e ela vai surgir.





A falta de tempo que me mata…

20 05 2010

Sim, eu estou meio ocupado pra postar ultimamente, mas não esqueçam de mim. ;p

Abaixo, um vídeo do jogo do Sonic que nunca saiu pra Mega Drive.

Seria baseado no universo estabelecido pelos Comics/Cartoon, mas Yuji Naka não quis confundir os jogadores e resolveu arquivar.

Obviamente por ser um universo alternativo o Sonic teria que fazer outras coisas além de correr, pois nesse universo ele é um herói e não um aventureiro. Seria um Sonic meio Solid Snake ; p





SONIC “COMICVERSE” – COMO UMA REVISTA CHULÉ VIROU UMA GRANDE SÉRIE

13 05 2010

Confesso que quase não acreditei quando vi a notícia que Sonic havia ganhado destaque no Guiness World Records como a revista0em quadrinhos baseada em games mais duradoura (conseqüentemente a que mais rendeu). Já são mais de 15 anos sem pausa de lançamento e cada mês são no mínimo duas edições.

O chamado “COMICVERSE” ou “ARCHIEVERSE”(publicado pela Archie Comics) usa uma fórmula que já foi motivo de fracasso de várias outras mídias baseadas em games: a adaptação é completamente livre, tendo mais elementos originais do que vindos dos jogos. Mesmo assim muitos aspectos dos jogos foram misturados e adaptados ao mundo criado pela Archie.

A série rendeu uma adaptação em cartoon que chegou a ser exibida por aqui no SBT, apelidada de Sonic “SATAM”. Apesar do bom resultado da série nos Estados Unidos, o cartoon não chegou a durar dois anos. Querem saber por quê o quadrinho rende tanto? Acompanhem:

O QUE ACONTECE NESSE TAL PLANETA MOBIUS

O ano é 3235 do planeta Mobius, um planeta idêntico a nossa Terra. Mas Mobius tem uma significante diferença: quase toda fauna local evoluiu até chegar na forma “SAPIENS”, ou simplesmente “MOBIANOS” como eles mesmo se chamam. Sonic vive em Mobotropolis, o reino da família Acorn… ou costumava ser até o humano conhecido por Dr. Ivo Robotinick derrubar o Rei num golpe militar e construir um império ditatorial rebatizado de Robotropolis. Não satisfeito, Robotinick ainda usa uma terrível tecnologia para obter trabalho escravo, as máquinas robotizadoras, que são usadas para transformar os animais(Mobianos ou não) em robôs.

Contra a opressão de Robotinick, Sally, a filha do Rei Acorn, monta um grupo Rebelde denominados Freedom Fighters, dedicados a frustrar os planos e tomar o poder de Robotinick. Junto com ela estão seus amigos de infância Sonic, Antoine, Rotor e o mascote da turma Tails. Logo depois também unem-se a eles a coelha ciborgue Bunnie”Rabbot”. Mas esse é só o início, muitos outros personagens passam a interagir com os Freedom Fighters, como os moradores da Ilha Flutuante e seu grupo Chaotix.

COMO ESCAPAR DE UMA FALHA ÉPICA

Tem uma coisa que eu acho mais impressionante do que essa série estar durando até os dias de hoje, que é o fato de eles terem conseguido sobreviver à primeira temporada de edições. Sério mesmo, o pessoal da Archie Comics deve muito aos fãs do Sonic(e aos fãs de furries ;p).

Podemos destacar a evolução da série em essas temporadas:

1ª temporada (Minissérie de estréia – 4 edições e Série “normal” até edição #16) – A minissérie inicial é uma estratégia pra ver a reação do público, lançando 4 edições e esperando a resposta nas vendas. Se for positiva, a série estréia pra valer. Podemos chamar esta temporada de “Sonic in Maurício de Sousa Land”. A arte é simplória, lembrando muitas vezes as revistas da turma da Mônica.

É isso mesmo... Estilo Maurício

O roteiro segue o mesmo caminho da arte, inclusive a introdução que vocês leram acima não é apresentada nesta temporada. Os episódios seguem a linha de humor infantil, onde o mais importante é fazer uma piadinha visual ou um trocadilho do que seguir um roteiro propriamente dito. Obviamente não há grandes batalhas, e raramente os personagens se agridem fisicamente. Ainda assim alguns fatos relevantes são contados nesta temporada, como a chegada e transformação de Bunnie em ciborgue e a primeira aparição de Knuckles.

Vertical e Horizontal... Essa doeu até em mim

2ª temporada (Edição #17 até #34 mais especiais) – Bem, até o cartoon do Sonic estava sendo levado mais a sério que esses Comics, então, provavelmente vendo que a série não ia durar muito se continuasse no “estilo Maurício”, os editores começaram a testar mudanças no estilo. Pra começar, eles investiram em edições especiais com minisséries centralizadas em alguns personagens de destaque como Sally e Knuckles. Os desenhos passaram a ficar realmente legais a partir da edição #25, que foi uma adaptação do jogo Sonic CD, e durante esta mesma temporada, mais jogos foram adaptados.

SONIC CD

As piadinhas ainda continuavam lá, mas a aventura e os personagens passavam a ganhar mais destaque do que elas, especialmente a parte sentimental deles começava a ser posto a prova, romance, morte e medos ganharam espaço dentro do roteiro. As cenas de ação ainda não eram as mais legais, mas chegam a passar mais a sensação de perigo que o mundo dos personagens está correndo.

Os personagens passam a demonstrar mais sentimentos para dar credibilidade ao roteiro

3ª temporada (#35, especiais, e…) – Com os testes feitos na temporada anterior, ficou claro que o público pedia um Sonic como herói de ação e não como um Looney Tune ou qualquer coisa assim. Os desenhos melhoraram ainda mais e o início da temporada já começa com uma edição especial com uma grande batalha entre Sonic e Knuckles em suas formas Super, mostrando como seria a ação na revista daquele ponto em diante. A partir da edição #39 há uma nítida mudança não só no estilo mais no universo em si que passa a ser mais sombrio e as piadinhas de trocadilho são abolidas definitivamente da revista. Nesta parte uma épica  batalha entre Bunnie Rabbot e Knuckles contra um Metal Sonic que é na verdade o próprio Sonic que foi capturado por Robotinick, chega aos níveis de exagero de ação do Dragon Ball com cidades inteira sendo destruídas pelo poder dos personagens.

As batalhas mais importantes passam a ser épicas

Daí pra frente(até os dias de hoje) – O sucesso da terceira temporada fez de desta a cara da revista daí pra frente, com mudanças grandes ocorrendo mesmo apenas entre o revezamento dos desenhistas, uma hora seguindo para o estilo mangá, outra pro Comic puro. Após a morte de Dr. Robotinick, outros super vilões ainda mais poderosos surgem, alem dos problemas urbanos que eles terão que enfrentar num reino que foi devastado pela tecnologia e poluição, incluindo Guerra Civil e até mafiosos traficantes.

Vilões mais assustadores

Com o passar do tempo os personagens também vão se relacionando afetivamente, alguns chegam a casar, outros como o nosso querido ouriço, depois de um tempo de namoro cai na gandaia e vira o ouriço mais galinha do mundo, uma das coisas mais legais que ele nunca vai fazer nos videogames.

A ação passa a ser constante na série

PERSONAGENS INICIAIS

Nome: ??? Maurice Hedgehog

Nome de Batalha: Sonic

Data de Nascimento: Dia 162 , ano 3220

Parentes Conhecidos:

Jules Hedgehog (pai)

Bernadette Hedgehog (mãe)

Sir Charles Hedgehog (tio)

Raça: Ouriço Mobiano

Sexo: Masculino

Cor: Azul

Olhos: Negros/Verdes

Acessórios: Luvas brancas, Tênis de Hyper Fricção Super Resistentes

Filiação: Lutadores da Liberdade de Knothole / República dos Acorn

Habilidades e Super Poderes

Giro Sônico

Velocidade Sobre-Humana

Reflexos Sobre-Humanos

Intangibilidade (com auto vibração molecular)

Cura Acelerada (via absorção de anéis mágicos)

Controle do Caos (Formas Super, Ultra, Eco, Solar e Polar)

Omnilingualismo

Descrição:  Ao contrário dos jogos de videogame, Sonic aqui não é um herói porque acha tudo muito divertido. Nesta versão, seus  amigos e família são mais importantes, e por isso ele luta para proteger seu mundo. E mais importante, ele não foge de garotas como nos jogos, sendo até um tanto quanto assanhado demais. Mas tirando isso, ele ainda é o cara mais rápido do planeta, usa rings como proteção, e atinge poderes capazes de romper dimensões quando em contato com as esmeraldas do caos.

Antes

Depois

Nome: Miles Prower

Nome de batalha: Tails

Nascimento: Dia 297, ano 3225

Parentes Conhecidos

Amadeus Prower (pai)

Rosemary Prower (mãe)

Merlin Prower (tio)

Raça: Raposo Mobiano

Sexo: Masculino

Cor: Marrom/Laranja

Olhos: Preto/Azuis

Acessórios: Tênis (copiados do Sonic), Luvas Brancas

Filiação: Lutadores da Liberdade de Knothole / República dos Acorn

Habilidades e Super Poderes

Voar

Inteligência de Gênio

Combate Físico

Trabalhos com Maquinaria

Aviação

Poderes Baseados no Caos (Níveis Hyper e Titan)

Descrição: Durante as primeiras temporadas Tails se mostra uma criança querendo se misturar num mundo de adultos. Tails sempre anda seguindo Sonic para tentar ser como ele. Mas com as revelações no desenrolar da trama vai se tornando peça essencial nas batalhas. Seu poder de Controle do Caos está muito mais acima do que todos imaginavam…

Antes

Depois

Nome: Sally Alicia Acorn

Nascimento: Dia 186, ano 3220

Parentes Conhecidos

Frederick Acorn (avô)

Maximillian Acorn (pai)

Alicia Acorn (mãe)

Elias Acorn (irmão)

Megan Acorn (cunhada)

Alexis Acorn (sobrinha)

Título: Princesa da República dos Acorn

Raça: Esquila Mobiana

Cor: Marrom (Durante alguns meses esteve Rosa devido a um acidente com produtos químicos)

Cabelos: Negros/Ruivos

Olhos: Azuis

Acessórios: Jaqueta, Botas

Filiação: Lutadores da Liberdade de Knothole(fundadora) / República dos Acorn

Habilidades:

Diplomacia

Talento para Liderança

Artes Marciais

Natação

Operação de Diversos Veículos

Descrição: Uma das mais dramáticas personagens da trama, sempre cheia de problemas ao seu redor. Mas diferente da maioria, Sally em batalha consegue esquecer seu lado pessoal e ser a mais fria dos Freedom Fighters, como ficou provado quando Sonic se tornou uma arma de destruição. O ouriço por sinal é o grande amor da vida dela (o que só vai aumentar o fator drama ;p).  Que bom que os Mobianos podem se misturar independente da raça.

Antes (rosa?!?!)

Depois, ruiva(Depois da Sally quem não é furrie lover)

Nome: Bunnie Rabbit

Nome de Batalha: Rabbot

Nascimento: Ano 3219 (Mobius Sul)

Parentes Conhecidos

Lulumae (tia)

Beauregard (tio)

Espécie: Coelha Mobiana

Sexo: Feminino

Cores: Amarelo e Branco

Olhos: Verdes

Acessórios: Membros Robóticos

Filiação: Lutadores da Liberdade de Knothole / República dos Acorn

Habilidades e Super Poderes

Força Sobre-humana

Braço Canhão

Extender Membros

Especialista em Artes Marciais

Voar(após upgrades)

Escudo de Força (após upgrades)

Descrição: Estréia na edição #03. A garota do interior foi salva por Sonic durante um processo de robotização no que a tornou uma ciborgue das mais poderosas. No início toda a dependência de força física ficam por conta dela. Mas o seu dom com o tempo passa a mostrar o lado da maldição, pois ela teme um dia ser controlada por seu lado “de metal” e ficar contra os próprios amigos.

Antes

Depois... os furries agradecem

Nome: Antoine D’Coolette

Nascimento: Ano 3217(Mobius Francesa)

Parentes Conhecidos: Armand D’Coolette (pai)

Espécie: Coiote Mobiano

Sexo: Masculino

Cor: Marrom

Cabelos: Loiros

Olhos: Azuis

Acessórios: Espada, Uniforme Militar

Filiação: Lutadores da Liberdade de Knothole / República dos Acorn

Habilidades

Aviação

Técnicas de Espadachim

Descrição: Durante as primeiras temporadas é um personagem que só aparece praticamente pra fazer gracinhas, mas quando resolve seus problemas pessoais, passa a ser um dos comandantes de batalha do reino. Tem interesse amoroso pela princesa, mas deixa de lado quando começa a conhecer melhor Bunnie.

Antes

Depois

Nome: Rotor Walrus

Apelido: Boomer

Nascimento: Ano 3219

Parentes Conhecidos

Sherman Walrus (pai)

Skeeter Walrus (irmão)

Espécie: Morsa Mobiano

Sexo: Masculino

Cor: Lilás

Olhos: Verdes

Acessórios: Boné Amarelo, Cinto de Ferramentas

Filiação: Lutadores da Liberdade de Knothole / República dos Acorn

Habilidades e Super Poderes

Massa Muscular Acima do Normal

Natação

Expert em Engenharia, Mecânica e Tecnologia

Inteligência

Cozinhar

Descrição: Rotor tem a função de inventar máquinas e armas para seus amigos usarem em batalha. Normalmente ele não se envolve diretamente nos conflitos, ficando só no comando estratégico do grupo.

Antes

Depois... Vale destacar que o autor Ken Penders comentou sobre a homosexualidade do personagem após as mudanças na revista

Nome: Amy Rose

Nascimento: Dia 186, ano 3226

Parentes Conhecidos

Rob O’ the Hedge (primo)

Raça: Ouriça Mobiana

Sexo: Feminino

Cor: Rosa

Olhos: Verdes

Acessórios: Saia, vestido, tênis, luvas, pulseiras, bandana, Martelo Piko-Piko

Filiação: Lutadores da Liberdade de Knothole / República dos Acorn

Habilidades

Artes Marciais

Luta com Martelo

Tarô

Descrição:  A fã número um do Sonic, apresentada originalmente no jogo de SEGA CD, e na revista na edição 25. Ela é muito novinha pra lutar ou até mesmo namorar com Sonic com quem sonha noite e dia. Mas depois que ela descobre uma RING Mágica faz um pedido para envelhecer 5 anos, passando a fazer parte do grupo dos Freedom Fighters. A Amy crescida é especialista na luta com martelo, e diferente da versão do videogame, é uma lutadora muito forte.

Antes, estilo SEGA CD

Atualmente uma das guerreiras mais fortes do grupo

Nome: Knuckles da Casa dos Edmund

Nascimento: Dia 251, ano 3220

Parentes Conhecidos

Athair (tataravô)

Crystal-La (Tataravó)

Sabre (avô)

Jenna-Lu (avó)

Locke (pai)

Lara-Le (mãe)

Knecapeon Mace (meio irmão)

Título: Guardião, Avatar

Espécie: Equidna Mobiano

Cor: Vermelha

Olhos: Lilás

Acessórios: Tênis Resistentes, Luvas com Garras

Filiação: Irmandade dos Guardiões / Chaotix

Habilidades e Super Poderes

Alpinismo

Grande Força Física

Controle do Caos (Níveis Hyper e Chaos)

Descrição: Knuckles talvez seja o personagem que mais se aproxima da versão original, ele é esquentado e tem na proteção da Ilha Flutuante e das esmeraldas sua razão de viver. Durante muitas edições ele não consegue manter amizade com Sonic, entrando diversas vezes em combate físico contra ele. Mas a maior diferença em Knuckles está no seu background, ele foi preparado pra ser guardião pelo próprio pai Locke e tem como guia a formiga de fogo Arquimedes. Inicialmente tido como o último dos equidinas, uma série de eventos dimensionais faz com que outros de sua raça venham a aparecer.

Antes

Depois (numa grande colisão de poderes)

CONCLUINDO

E no Brasil? Vocês acreditam que essa revista chegou a aparecer por aqui? Sim, mas nós só chegamos a ver a primeira fase, aquela estilo Turma da Mônica, aí talvez a revista nunca tenha funcionado por aqui por conta disso. Na minha opinião, (ignorando a fase “Monica”) essa é a melhor adaptação do ouriço pra outras mídias, provando que o fato de ser diferente do original não significa que não vai funcionar.  Mas fãs do ouriço que se interessaram, animem-se a net está aqui pra isso. Logo trarei uma novidade pra vocês.

Sim... Crossovers são inevitáveis. Sonic e Spawn se conheceram junto com uma penca de personagens da Image Comics

P.S. – Cream não existe nesse universo ;-p





Back to the Future 3 – Uma nova maneira de resenhar

28 04 2010

Olá amiguinhos, já falamos sobre vários cientistas este mês, e claro o clássico Dr. Ernest Marrom da série de filmes De Volta para o Futuro, não poderia ficar de fora. Mas hoje vamos fazer de forma diferente, vos apresento a foto resenha, uma maneira de resenhar toda a frustração ou emoção de um joguinho através de imagens. E para tal vos trago uma celebridade de internet, RAGE, o popular FUUUUUUUUUUU…

Título: Back to the Future Part III
Ano: 1991
Para Mega Drive
Produção da POBRE distribuído pela ARENA

Esta resenha tem o padrão REIROM de qualidade

Muito bom heim? O Sr. Rage é  praticamente o Chaplin hardcore! Mas depois de resenhar este pedaço de sucata, ficou faltando destacar isso: depois de tanto perder na primeira tela, descobri que os machados devem ser… derrotados! Era a última coisa que eu pensaria, dar um tiro num machado!!! Mesmo chegando um pouco mais longe depois dessa maravilhosa descoberta ainda não consegui sair da primeira tela!!! Estranho acho que esse mês vai ter duas bombas do mês! Pobre Dr. Ernest não merecia isso.

Atirando num... machado(?!?!?!)





Dr. Robotnik’s (sem “i” no “ti”) Mean Bean Machine – O velho truque do jogo disfarçado…

20 04 2010

Título: Dr. Robotnik’s Mean Bean Machine
Produção da Compile com maquiagem da SEGA
para Mega Drive
em 1993

Era uma vez um jogo chamado Puyo Puyo que fez com que o Japão esquecesse qualquer variante de Tetris. Puyo Puyo trazia como grande diferencial a centralização no combate entre jogadores, como se fosse um jogo de luta, mas … é um puzzle ;-p

Olha o "carisma" do robô!

Os americanos, com toda sua “sapiência” achavam que um jogo sobre uma menina bonitinha que joga gosmas coloriadas pra combater monstros não seria uma boa idéia, então resolveram subistituir os personagens: ao invés da menina, puseram o cientista gordo e bigodudo inimigo do Sonic, Dr. Ivo Robotinick(usando o padrão do cartoon do Sonic), que aqui se intitula o criador das gosmas. Ao invés de monstros, os enlatados que o Robotinick cria, que acabou sendo tão enlatado quanto esse jogo… Pra completar as músicas foram BASTANTE pioradas nessa versão.

Dr. Robotinick mandando todos se fuderem

Bah, em resumo, é o Puyo Puyo 2 muito mais feio, mas com menus em inglês.

O objetivo é fazer sequências de gosmas da mesma cor, lembrando o Columns, mas ao invés de 3 itens, aqui são 4 ou até mais, pois a regra pode mudar em alguns momentos. Para combater seu adversário é preciso fazer combos, ou seja posicionar as cores estrategicamente, para que ao sumir de uma sequência, duas ou mais sejam apagadas com a movimentação das gosmas.

Quanto maior seu combo, maior será o número de gosmas cinzas lançadas contra seu inimigo. As cinzas não somem em contato com as de mesma cor, é preciso fazer sequências de outras cores ao redor delas para que desapareçam. A princípio parece simples, mas pesquise sobre esse jogo e você vai ver vídeos e aulas de estratégia que são uma verdadeira coisa de louco, baseado nessas regrinhas aí. Não é exagero, esse é um dos melhores jogos de puzzle já feitos, mas se possível jogue a versão japonesa, ou a do Super Nintendo (Kirby’s Avalanche) que tem desenhos e músicas mais interessantes.

Auuuu, Gente boa!