Minhas Trilha Sonoras Favoritas – Parte 3

20 08 2010

DEMOREI MAS VOLTEI, AGORA PASSANDO PELA GERAÇÃO 32 E 64 BITS.

SEGA SATURN

Na verdade eu não tive tanto contato quanto queria com o SEGA SATURN, mas o pouco que tive lembrei de três trilhas sonoras, sendo que duas delas, pra mim, estão entre as melhores da história da SEGA.

Clockwork Knight 2 – O Toy Story wanna be(ou seria ao contrário?) era um jogo de plataformas bem divertido, mas bem básico também, onde jogamos no papel deste cavaleiro relógio com cara de português, gajo! As músicas são bem típicas do gênero e marcantes.

Sonic 3D Blast – O assunto aqui é o soundtrack portanto esqueçam duas coisas: que este jogo é muito enjoado; que existiu uma versão para Mega Drive. Enquanto a versão do Mega tem uma trilha sonora interessante de Jun Senoue, no Saturn, está simplesmente o MELHOR trabalho da carreira de Richard Jacques! Eu consegui terminar este jogo me inspirando unicamente no soundtrack dele.

Nights Into Dreams – Se eu fosse mencionar apenas três jogos dessa geração, Nights com certeza estaria entre eles. O melhor trabalho do Sonic Team desde Sonic 3 e Knuckles. Bons gráficos (para o sistema), diversão e um soundtrack perfeito compõem algumas das características deste sonhador(literalmente) jogo. Quem não conseguiu acompanhar na época pode ir atrás da versão para PS2.

PLAY STATION

Pra mim foi tranquilo escolher as melhores do PS1.

Final Fantasy VII – Eu não morro de amores por FF7, e apesar de eu achar que o IX não deve nada ao VII, coloquei o VII por aqui pela razão do impacto de certas trilhas com as cenas. Ver uma música em latim na última batalha também foi bastante surpreendente.

Castlevania Synphony of Night – Sim, podem dizer que esse jogo também tem no Saturn, mas eu não consegui jogar a versão do Saturn, portanto está na minha seleção do PS1. As brilhantes músicas de Michiru Yamane estão no mesmo nível, e em algumas faixas até superiores ao igualmente brilhante trabalho do Kuheiha Club na geração 8 e 16 bits.

Chrono Cross – Vocês podem achar este jogo não tão legal quanto foi o Trigger, mas num aspecto eles são equivalentes, que é obviamente o soundtrack. É isso meus amigos, Yasunori Mitsuda, o aluno de Uematsu atingiu sua maturidade com este jogo. Uma trilha sonora pra se escutar pelo menos uma vez por semana ; p

Nintendo 64

Outro console que não joguei tanto, mas também não perdi tanta coisa assim…

Super Mario 64 – Todos os jogos de Super Mario(de plataforma) sempre mantiveram o mesmo nível de qualidade no soundtrack, mas este aqui se destacou por ter uma quantidade maior que os anteriores, e só seria superado(e muito) por Super MArio Galaxy. Por conicidência, enquanto estou escrevendo esta matéria, o Winamp ligado no random começou a tocar a música da primeira fase do Mario 64;p

F-Zero – O que que eu posso dizer, por muito tempo esse era o único jogo do 64 que eu jogava devido as pistas mais malucos já vistas até então(superado pela versão do Cube com certeza). A trilha sonora segue a loucura das corridas, ainda assim mantendo uma melodia inesquecível.

Legend of Zelda Ocarina of Time – Quando você passsa a visitar regiões de um jogo apenas pra escutar a trilha sonora daquele local, pode ter certeza que tem algo a mais em suas composições. Assim fiz com Mega Man 3, Chrono Trigger, Sonic 3, Nights e também Zelda Ocarina. Estranahmente, um jogo de Zelda que não toca a clássica música tema na tela principal! Será superado no próximo jogo da série? Esperemos…





Minhas Trilha Sonoras Favoritas – Parte 2

6 08 2010

Seguindo agora para a geração 16 bits e o Game Boy Advanced(que é parecido com 16 bits ; p)

MEGA DRIVE

É difícil deixar trilhas sonoras como Castlevania Blodlines, Shinobi, Streets of Rage 1, Golden Axe e os dois primeiros Sonics de fora, mas enfim, estas são as que mais me marcaram

Thunder Force 3, escilamente a música da fase mostrada na foto acima foi uma das músicas que me perseguiam nas madrugadas, uma das músicas chicletes mais marcantes dos 16 bits.

Se tem alguém que abusou do velho som de Mega Drive foi o grande Yuzo Koshiro com sua trilha sonora eletrônica em Streets of Rage. O segundo pra mim foi mais marcante, apesar do primeiro ter sido a “revolução”.

Quem achava que Sonic ia ficar fora da minha lista? Esta fusão dos dois episódios de Sonic 3 é tão marcante por juntar diversos compositores, que incluem Bobby Brooks, Brad Buxer, Darryl Ross, Doug Grigsby, Geoff Grace, Jun Senoue, Tatsuyuki Maeda, Tomonori Sawada e… Michael Jackson!

SUPER NINTENDO

Apesar de diversas trilhas ótimas, o caminho no Snes foi bem mais fácil pra mim do que no Mega Drive.Vejam se concordam:

Melhor trabalho solo de Nobuo Uematsu, ou melhor trabalho solo de Nobuo Uematsu? Pra mim esse foi também o último grande Final Fantasy, já que não sou grande fã do pop FF7. Dizem que ele retornará no 3ds, será?

Eu acho os compositores orientais EXTREMAMENTE superiores aos ocidentais, mas há dois caras que eu abro uma excessão e uma deles é David Wise. Wise fez um trabalho digno dos grandes nomes do Japão, e melhor do que alguns até, especialmente neste segundo Donkey Kong Country.

O RPG favorito da era de 16bits também deve parte de seu sucesso a fantástica trilha sonora da parceria Nobuo Uematsu e Yasunori Mitsuda. O jogo dispensa apresentações pode ser jogados bilhões de vezes que não enjoa.

GAME BOY ADVANCED

Não sou um grande fã das trilhas sonoras do GBA, mas vá lá, tem alguns bons destaques

As fases podem não ser tão inspiradas como no Mega Drive, mas achei bastante interessante a primeira versão do Sonic Advanced. As posteriores não conseguiram seguir no mesmo nível, tornando a ficar legal só no sucessor SONIC RUSH para DS.

Castlevania fez um bom trabalho no GBA mas a trilha sonora ainda estava devendo. Circle of the Moon só fez reprisar composições do passado, Harmony ficou muito inferior a tradição da série. Aria veio para corrigir esse defeito, e ainda veio como um jogo melhor trabalhado que os anteriore. Só faltou um pouco mais da dificuldade!

Acho o trabalho de Yoko Shimomura em Mario & Luigi Super Star Saga muito melhor que do Kingdom Hearts original(mas não melhor que o do 2 ;p). Quando comecei a jogar não esperava algo tão marcante mas quebrei a cara. Talvez a melhor trilha sonora no GBA.





Minhas Trilha Sonoras Favoritas – Parte 1

2 08 2010

Aproveitando que fui no show da orquestra OneUps, resolvi listar aqui em 3 postagens minhas trilhas sonoras favoritas.

Começando pela geração clássica dos 8 bits:

NES

Life Force do Nes pegou o que tinha melhor nos arcades Salamander e Life Force. Nunca uma trilha sonora de um jogo de nave me passou tanto a sensação de estar naquele ambiente.

Megaman 3 é aquela trilha sonora que basta escutar uma vez pra ficar martelando na sua cabeça. às vezes não dá nem vontade de apertar o START na abertura só pra musiquinha ficar tocando.

Castlevania 3 é uma aula de como se aproximar o som de 8 bits de uma verdadeira orquestra.

MASTER SYSTEM

Battle Out Run é um jogo pouco lembrado, mas todas as músicas(apenas 9 se não me engano) foram pra mim marcantes o suficiente para ser lembrado como uma grande trilha sonora.

Algumas das composições mais bem trabalhadas do Master System estão aqui. Alguém já parou pra ficar escutando a música da cachoeira?

Yuzo Koshiro trabalhou num jogo do Master System e foi justamente Sonic the Hedgehog, a melhor trilha sonora do console pra mim, cheia de influências de jazz.

GAME BOY

O primeiro chamativo do Game Boy veio com uma música nova que é lembrada até hoje por todos os jogadores, Troika(entrou até no Smash Bros.) motivo suficiente pra esta curta trilha sonora ser tão marcante.

Talvez o soundtrack seja mais marcante que o próprio jogo que é o mais simples já feito dos de plataforma de Super Mario. É um tanto atípica para a a série, mas é muito legal.

Castlevania como sempre mantém a tradição de sua trilha sonora, até mesmo quando não há cores. As versões arranjadas da trilha sonora de BElmont Revenge são ainda melhores.

ESTA ATRAÇÃO CONTINUA NA PRÓXIMA POSTAGEM…





Está no ar… Sonic agora fala nosso idioma!

17 07 2010

Finalmente, depois de alguns meses de trabalho, consegui colocar no ar um blog para os fãs do ouriço. Sonic Tales estará disponibilizando em português os quadrinhos da Archie Comics, a produção quw mais levou a sério o ouriço, mesmo criando um universo diferente dos games. Claro que houve a 1ª temporada… mas isso é passado. Então não perca tempo e visite agora mesmo http://sonictales.wordpress.com !





Eles estão chegando…

13 07 2010

E vão falar o seu idioma…





Didi na Mina Encantada – “UUUH DIDI!!! UH HUHUHU!”

1 07 2010

Título: Didi na Mina Encantada
Publicado por: Magnavox e Philips(Brasil)
Ano: 1982
Sistema: Odyssey 2

Aqui vai mais um episódio sobre as fantasias destruídas da minha infância!
Falemos um pouco sobre o Odyssey 2, um videogame oitentista que ganhou certa notoriedade aqui no Brasil, mas no geral levou uma surra do Atari 2600.

Na nossa terrinha ele foi distribuído oficialmente pela Philips, que tirou o “2” do nome do console, afinal o Odyssey original nunca havia sido lançado por aqui. A Philips também distribuiu os jogos oficialmente, mas o problema é eles tinham a mania de aportuguesar certos títulos, assim como as distribuidoras de filmes fazem até hoje. Com isso na cabeça, eles mudaram “The Attack of the Time Lord” para “O Senhor das Trevas”, “Power Lord” para “Serpente do Poder” e algumas traduções ao pé da letra como “Killer Bees” para “Abelhas Assassinas”.

Um dos hits do console levava a marca “Os Trapalhões”, que apesar de não significar muita coisa pra molecada atual, eram os Reis do Domingo nos anos 80, tanto que eram exibidos em horário nobre, antes do fantástico, e assim foi até 1993. Com a morte de dois integrantes a marca foi perdendo força até se tornar um programa infantil que é exibido até hoje pela rede Globo, e o tal do Renato Aragão não se manca que passou da hora da aposentadoria.

Mas voltando ao jogo… Em minha infantil mente, eu tinha plena certeza que estava jogando um jogo do Didi em busca de ficar rico. Aqui está a caixa que a Philips usou na época:


Um jogo que se passa praticamente na Serra Pelada. Vejam aqui imagens do jogo:

É no estilo Donkey Kong, onde deve-se subir alguns pisos procurando (esperando na verdade) uma chave aparecer do nada enquanto se desvia de pedregulhos. Ao pegar a chave, escolha uma porta colorida das três que ficam no meio dos pisos. De acordo com a cor da porta, a cor do piso vai mudar. Atenção para não pegar a porta preta, pois com o piso preto é impossível ver os buracos!

E como o jogo é no estilo Atari, ele repete repete repete até você enjoar. E só é uma vida nêgo! Aí é que vem a parte legal… Uma das lendas da época , que eu fiz questão de espalhar pelo prédio onde morava, é que o Mussum aparecia no jogo!


CACILDIS! EEEEEEEEEEEITA!!!!

E eu tinha plena certeza que ele estaria lá, e que quem estava jogando os pedregulhos eram Dedé e Zacarias! O problema é que depois que eu cresci e descobri a Internet, acabei descobrindo também que o jogo do Didi nunca existiu, era tudo uma fantasia da Philips para vender os joguinhos! Malditos SEJAM! Caixa do jogo original:

PETE??!?!?! AAAAAAAAAAH! DESTRUIRAM MINHA INFÂNCIA DE NOVO!!!





Um ano sem Michael Jackson…

25 06 2010

EM MEMÓRIA DE MICHAEL JACKSON (1958-2009)

Um ano depois da morte de Michael Jackson, presto aqui mais uma homenagem por meio do ouriço Sonic. Como foi divulgado pela revista Black’n’White, Michael Jackson “secretamente” compôs 6 músicas para o jogo Sonic 3 em 1994. Para evitar problemas devido aos escândalos em que o astro andava envolvido, seu nome foi colocado nos créditos sob o pseudônimo de Scirocco. Aqui estão as 6 músicas compostas por Michael:

Vale destacar que esta última, o tema dos créditos, é praticamente a mesma música “Strangers in Moscow” do álbum History, sendo que History foi um álbum lançado um ano depois de Sonic 3, ou seja Stranger in Moscow foi uma música composta para o jogo.  Aqui está uma fusão das duas músicas:

Uma versão orquestrada para completar: