Considerações Finais do Mês Símio

28 02 2009

Infelizmente a semana que passou de carnis valle não permitiu que eu me dedicasse muito ao BROGUI, mas já que este é o ultimo post do mês gostaria de ressaltar 2 coisas que faria mais detalhadamente se tivesse tempo.

Donkey Kong 64 – Não consegui resenhar este, mas vou deixar aqui o que acho: Pior motivo pra se fazer uma continuação, Mario 64(que já não é grandes coisas) de araque, Novos personagens de charisma 0.  Pra completar nem aquelas belas sinfonias da trilogia Country continuaram, pelo contrario, botaram até hip hop no jogo. BLEARGH!!!  De destaque mesmo só o gráfico que explorou bem o fraco potencial do 64 e o arcade original de 81 escondido que é melhor que esse jogo. Abaixo uma amostra da criatura.

Os novatos são muito toscos

Os novatos são muito toscos

Quartinho do DK com a rede de dormir e a foto da símia gostosa... símia?!

Quartinho do DK com a rede de dormir e a foto da símia gostosa... símia?!

Tentaram até botar fase de carrinho de novo

Tentaram até botar fase de carrinho de novo

 

Bem pra fechar com chave de ouro esse mês, faço aqui uma seleção de participações de símios em títulos famosos, queria ter juntado mais, mas whatever, aqui vai:

Megaman 2 - Wood Man Stage

Megaman 2 - Wood Man Stage

Megama 3 - Hard Man Stage

Megaman 3 - Hard Man Stage

Psycho Fox - Macaco é um dos animais controláveis

Psycho Fox - Macaco é um dos animais controláveis

Sonic 2 - Emerald Hill Zone

Sonic 2 - Emerald Hill Zone

Castlevania 1 - Stage 3 Flea Man (Ele é um macaco?)

Castlevania 1 - Stage 3 Flea Man (Ele é um macaco?)

Mario vs Donkey Kong - Outra continuação do arcade de 81 (Muito boa por sinal)

Mario vs Donkey Kong - Outra continuação do arcade de 81 (Muito boa por sinal)

Moonwalker - Michael também é zoofilo em pleno jogo familiar.

Moonwalker - Michael também é zoofilo em pleno jogo familiar.

Samurai Spirits 2 - Chamcham e seu símio amigo, que na verdade é seu irmão.

Samurai Spirits 2 - Chamcham e seu símio amigo, que na verdade é seu irmão.

É isso meus amiguinhosssss! Quando menos se espera vocês vão acabar encontrando um macaco na telinha do seu game, eles estão por toda parte é só prestar atenção. Se liguem que semana que vem estou de volta com mais um tema pra explorar durante um mês neste humilde BROGUE!!! Até lá!

Anúncios




Thrilla’s Surfari – Quase um filme pornô

26 02 2009
Aprovado pela Ação Games

Aprovado pela Ação Games

Título: Thrilla’s Surfari
Lançamento: 1991
Empresa: LJN Toys e Town & Country Surf Desingns Hawaii
Sistema: Nes

Sentindo falta de jogos toscos esse mês? Tá aqui um pra matar a saudade de vocês. A tosqueira já começa pelo motivo de lançamento do jogo: Promover uma grife de surf… Ah cada uma viu, e eu achava que era exagero promover pizzarias na época do NES (TMNT 2 – Pizza Hut ; Yo Noid – Domino’s Pizza). Pelo menos os dois títulos das pizzarias eram mais legais que esse jogo dos surfistas.

O Macumbeiro

O Macumbeiro

O Símio RadicAAAAAAAAAAAUUUUU Gente Boa!

O Símio RadicAAAAAAAAAAAUUUUU Gente Boa!

A safada zoofila

A safada zoofila com seu bum de fora

O roteiro vagabundo: A impressão que me passa é que botaram alguém envolvido com filmes pornográficos pra escrever a historinha mediocre do jogo. Imaginem que um macumbeiro africano está fazendo um ritual pro Deus Wazula e pede em troca que ele lhe traga uma loiraça que anda 24 horas por dia com roupas de banho chamada Barbi Bikini(até o nome parece nome de atriz vagabunda). A garota em questão é adepta de sexo selvagem e zoofilia, tanto que namora um gorila chamado Thrilla. E o gorila em questão é um daqueles caras que só pensam em surf e skate(gorilas pensam?). Efetuado devidamente o sequestro da loira zoofila, o gorila parte para o resgate com seu Sk8, antes que o negão coma sua mulher. Agora me digam – Como esse jogo levou o famoso selo Nintendo de qualidade, e pior ainda, como a tal grife T&C aprovou associar sua marca num produto que fala de uma loira que namora um macaco?

Cheio de Gracinhas

Cheio de Gracinhas

URRÚÚÚÚÚÚÚÚ

URRÚÚÚÚÚÚÚÚ

HAHAHA! SE FERROU

HAHAHA! SE FERROU

O jogo: A única coisa que realmente ficou direitinha nesse jogo foram os gráficos(padrão NES é claro). Conseguiram fazer animações descentes no personagem, cheio de poses e gracinhas enquanto faz manobras, e os cenários até que estão bem detalhados. Mas todo o resto não funciona bem. Pra começar você passa o jogo todo em cima dum Skate ou duma prancha. A jogabilidade até que vai no caminho certo, o problema é que o cenário ficou tão ENTUPIDO de coisas pra desviar que dá uma sensação de claustrofobia, o que deveria ser de liberdade afinal você está andando de Skate/Surfando. Isso faz aumentar mais a dificuldade, sendo bewm hardcore, pois qualquer escorregãozinho de nada é morte do teu macaco. E muitas vezes ele morre mesmo é retalhado, ou se quebra todo. A trilha sonora é chata  e sem inspiração, mas pelo menos não fica PIANDO, porque os jogos de 8 bits(MASTER e NES) quando não tem soundtracks memoráveis tornam-se piados. Nunca tive paciência pra esse joguinho mas quem for arriscar, vale pelo típico desafio HARDCORE de 8bits, se alguém terminar favor registrar nos comentários deste blog se a loira dá pro gorila no final.

Alguma semelhança entre esse jogo e essa fase do Battletoads?

Alguma semelhança entre esse jogo e essa fase do Battletoads?

 

Prefiro não comentar

Prefiro não comentar





Donkey Kong Country 3, DK Land 2, DK Land 3 – Pequenas Resenhas hoje

24 02 2009

donkey_kong_3_-_nazo_no_krems_shima_000001

Título Niponico: Super Donkey Kong 3
Título Mundial: Donkey Kong Country 3
Lançamento: 1996
Empresa: Nintendo / RARE
Para: Super Nintendo
Adaptação para: Game Boy Advanced

Funky arranjou esse mala pra te acompanhar

Funky arranjou esse mala pra te acompanhar

Em 1996 o Mega Drive estava fechando as portas, mas mesmo com o Nintendo 64 tentando aparecer a todo custo, o Super Nes ainda lançava títulos muito bons no mercado como Super Mario RPG, uma impressionante adaptação de Street Fighter Zero 2 e claro que não iriam esquecer de fechar a trilogia Donkey Kong country. O roteiro é aquela maravilha de sempre – dessa vez sequestraram o Donkey e o Diddy e a Dixie parte pro resgate fazendo amizade com um bebezão chamado Kiddy(odeio ele).
donkey_kong_3_-_nazo_no_krems_shima_00005

donkey_kong_3_-_nazo_no_krems_shima_00006

Mais do Mesmo: As novidades trazidas na terceira parte foram poucas. Basicamente só duas: Você pode andar livre pelo mapa pra achar bonus escondidos onde se deve libertar os pássaros banana(nonsense, mas interessante) e deve fazer trocas de itens e moedas com uns ursos que trabalham em cabines(desnecessario – odeio eles). Algumas mudanças ocorreram no visual dos inimigos, algumas de gosto duvidoso como as abelhas que ficaram robóticas. A moeda gigante DK que no DKC2 estava sempre escondida nos cenários aqui aparece de forma diferente: deve-se localizar um inimigo com escudo e o escudo é a moeda gigante. Derrote-o atacando com um barril de aço pelas costas pra ele derrubar a moeda. Já dos seus amigos animais o único que está nos 3 jogos é o peixe-espada, a aranha de tênis do DKC2 voltou neste também, mas em compensação inventaram outros animais sem graça como um elefante que é o rinoceronte piorado e um passarinho minusculo que voa acime de ti pegando itens. De resto o de sempre, jogabilidade rápida e precisa, fases com ambientes naturais realistas, trilha sonora altamente sinfônica, muitos bonus escondidos, truques e dessa vez pra fechar copletamente o jogo são 103%.

Atente para os truques do mapa

Atente para os truques do mapa

 

Ainda lembram como se faz o truqe natalino?

Ainda lembram como se faz o truque natalino?

Do a barrel roll

Do a barrel roll

Meu cenário favorito deste jogo

Meu cenário favorito deste jogo

Concluindo: Comparando os 3 jogos de DKC, este foi o que menos chamou atenção. O 1º. foi a revolução gráfica, o 2º. foi o melhor trabalho em todos os aspectos, este 3º. é só mais um complemento pros jogos anteriores. Não revoluciona, mas cumpre seu papel. ;D

No Game Boy Avançado: Quem acompanhou as resenhas anteriores já sabe que no Game Boy eles botam mais detalhes no cenário, mas não lidam bem com as cores. Aqui continua a mesma coisa, mas com um agravante, mecheram na trilha sonora e ficou muito pior. Dizem que só a musica da água ficou melhor mas eu nem joguei até porque não aguentei. E sim, eles continuaram mudando efeitos sonoros desnecessariamente.

Versão GBA e suas cores estranhas

Versão GBA e suas cores estranhas

Já no Game Boy Classico/Color…

Títulos: Donkey Kong Land 2 e 3
Lançamento: 1995 e 1996
Empresa: Nintendo / RARE

Anteriormente vimos que o 1º jogo da série Land era baseado no DKC1, mas com estruturas de cenários toscas e jogabilidade ruim. Bem quem quiser dar uma chance aos DKL2 e 3 pode ficar feliz em saber que os problemas anteriores foram resolvidos. Porém em DKL2 a trilha sonora chega a ficar chata de tão repetitiva que ficou. É baseada em cima das originais com arranjo típicos de 8 bits que ficaram até bons, mas acho que só consegui contar 5 músicas durante o jogo. A musica das fases de água chegou a tocar em 3 fases diferente seguidas, ficou torturante. Fico imaginando se eles botaram alguém pra jogar isso depois que terminaram o trabalho. Felizmente pra salvar a pátria, por incrível que pareça o terceiro, obviamente baseado no DKC3 ficou bem descente e jogavel. Assim como os anteriores as fases são baseadas na versão “grande”, mas a estrutura não tem nada haver. Esse realmente conseguiu explorar o máximo do velho hardware do Game Boy, até as musicas conseguiram colocar todas da versão do snes, quem tem um GB na coleção é um título que merece ser colecionado.

DKL2

DKL2

 

DKL3 - Esta versão ficou até legal

DKL3 - Esta versão ficou até legal

 

Kiddy e o Klap Trap

Kiddy e o Klap Trap





Comercial Donkey Kong Jungle Beat

20 02 2009

Alguém comentou sobre falta de novos títulos do Donkey Kong, então resolvi postar este comercial do Jungle Beat de Wii, jogo de plataforma, disponível só no Japon por enquanto que havia saído no Cube mas ninguém notou porque era época de auge de PS2. A versão do Wii tem tudo que tem no Cubo e muito mais.

Só lembrando que também saíram outros títulos sem ser de plataforma do Donkey como o Barrel Blast no Wii e o Donkey Konga que é um jogo musical da Namco pro Cubo que teve 3 versões no Japão.





Donkey Kong Country 2 – Melhorando o que já era bom

19 02 2009

donkey-kong-country2_00000

Título Niponico: Super Donkey Kong 2
Título Mundial: Donkey Kong Country 2
Lançamento: 1995
Empresa: Nintendo / RARE
Para: Super Nintendo
Adaptação para: Game Boy Advanced

donkey-kong-country2_00002Donkey Kong Country 2 teve a missão de fazer algo mais que o primeiro, dar mais personalidade a este game, deixando mais o seu lado Super Mario. E conseguiu? Diria que o impacto gráfico não foi tão grande por conta do anterior, mas ouveram consideráveis melhoras. Vamos do princípio:

 

Roteiro: Não dessa vez não vamos resgatar 1.000.000.000.000 de bananas. O roteiro é clichê ao extremo. Diddy Kong arranjou uma namoradinha inha, mas felizmente ela não vai ser sequestrada… massssss o amigão Ddonkey é quem foi sequestrado(?!?!?!!?) e agora a dupla parte ao resgate. Bem num jogo com bichinhos de pelucia isso é o que menos importa ;p.

Malditas Colméias

Malditas Colméias

Graficamente: O que era bom ficou ainda melhor. Apesar de semelhante a do anterior, este tem mais variedades nos cenários, que são navios, vulcões, pântanos, cavernas de gelo, colméias gigantes, espinheiros gigantes, parque de diversões, florestas assombradas, castelos… A única vacilada são as fases de água que ao invés de tentar reproduzir um ambiente aquático são sempre navios naufragados, é o único detalhe que dou ponto de vantagem pra DKC1.

Na água serás atacado por um peixe bocudo e por Cládia, a Raia

Na água serás atacado por um peixe bocudo e por Cláudia, a Raia

Trilha Sonora e efeitos: Belíssimos efeitos sonoros e trilha sonora marcante e choramingante. Na época inclusive na compra do cartucho, vocÊ ganhava o cd com as músicas. Tá entre as melhores do Snes disputando diretamente com Final Fantasy 6 e Chrono Trigger.

Exterminadores de Roedores.

Exterminadores de Roedores.

A jogabilidade ficou ainda melhor que o primeiro porque as habilidade novas, especialmente quando se joga com a Dixie são fáceis de usar. Dixie é a melhor personagem de se jogar nesta serie ela é controlada e ainda plana no ar melhor que o Knuckles do Sonic. Diddy está identico do primeiro jogo, só ganhou alguns quadros de animação novos. Voltaram também os amiguinhos rinoceronte e peixe-espada, e, se uniram a eles o papagaio que fazia uma pontinha no 1º jogo, uma aranha(hummmm) e uma cobra gigante(AAAAAU!). Além de subir nesses animais, você tem fases especiais só com eles. A dificuldade não é de arrancar os cabelos mas em alguns momentos você vai ter um pouco de trabalho. Também serão muitas fases a se passar com direito a procurar fases de bonus e moedas gigantes, tudo pra completar o jogos com 100%, ou melhor, são 102% dessa vez, e não vá esquecer que ainda tem um mundo secreto.

Sonic não aprova.

Sonic não aprova.

Mas… A versão de GBA como anteriormente é inferior em resolução e as cores são esquisitas. Os extras são novos itens pra colecionar(penas douradas?!?!), cutscene no inicio e bonus novos com a família kong, além daquele do Silvio Santos Wanna be.

Snes VS GBA

Snes VS GBA

Decreto: Um dos melhores jogos já feitos e o melhor jogo de plataforma do Super Nintendo. Desculpem os fãs do Super Metroid e do Super Mario World.





Donkey Kong GB e Donkey Kong Land – Os caronas

18 02 2009

Aproveitando o estouro de Donkey Kong Country a Nintendo só podia pensar em explorar mais a marca. Baseado nisso, surgiram no mesmo ano de 1994 2 jogos querendo pegar carona com o sucesso. A 1ª idéia foi – porque não tentar reviver a franquia clássica. Sim, então foi criada uma versão upgradeada do DK de 81.
donkey-kong

Título: Donkey Kong GB
Lançamento: 1994
Empresa: Nintendo
Para: Game Boy

donkey-kong5Quem começa a jogar sem dar muita atenção pode até pensar que é um remake do original, pois no inicio há uma “fase 0” que simula o arcade. Mas basta perceber o quanto ficou mais fácil, na tela inicial são só 3 diagonais pra subir. Na sequencia vem mais 3 telas, uma com esteiras rolantes, a dos malditos elevadores e por fim o final do arcade pra derrubar o DK. Na verdade isso é só um treinamento pra você pegar o jeito com o joguinho. O final do arcade, é o inicio desse jogo. O DK não se foi quando caiu do prédio ele levanta e leva a mulher outra vez pra tentar viver cenas de zoofilia com a coitada.

Diagonais again

Diagonais again

Iniciando: Uma coisa que é nítida são os novos movimentos. Mario agora pode dar pulos gigantes, plantar bananeira, agarrar e jogar itens/inimigos ao estilo Mario 2, tem mais equilibrio e ainda pode decolar se pendurando em algum fio ou cipó. Depois que chegar a fase 1, verás que o foco do jogo agora são mais puzzles do que testar suas habilidades como no original, mas ainda assim estão lá elementos vindos dos arcades Donkey Kong e Donkey Kong Jr.(a partir da segunda fase). Obviamente eles não seriam tão mongos ao ponto de botar alguma referencia ao DK3. ;p A cada 4 fases há um chefe de fase, sempre o Donkey aprontando alguma coisa.

Primeira batalha contra o macaco

Primeira batalha contra o macaco

As musiquinhas são bestinhas mas não chegam a encher a paciência. Este pode não não ser marcante como o arcade original ou o revival DKC, mas vale boas horas de diversão. Em compensação…

donkey-kong-land1

Título: Donkey Kong Land
Lançamento: 1994
Empresa: Nintendo / Rare
Para: Game Boy

A mesma Rare que fez aquele belíssimo jogo, também no mesmo ano fez esta belíssima K-H-DA. Donkey Kong Land pode ser comparado as adaptações de Mega Man do NES no Game Boy. São feitas em cima do original, com estrutura de fases novas e os agravantes tecnicos do Game Boy. Mas diferente dos Mega Mans neste Donkey Kong não conseguiram manter uma jogabilidade nem uma qualidade inspirada no original.

Na floresta o Rinoceronte enfrenta um jacaré glichado

Na floresta o Rinoceronte enfrenta um jacaré glichado

Ele tem dois méritos, bons gráficos pro hardware do Game Boy e boas músicas baseadas nas originais, os arranjos em no chip de som do Game Bo são obviamente mais fracos, porém estão descentes. Mas o que se vê depois infelizmente é terrível. PRa começar o pior de tudo – A jogabilidade. Donkey Kong e Diddy Kong parecem que estão com bolas de ferro gigantes amarradas aos pés. Muitas vezes você acha que o pulo deles alcança uma plataforma e acaba se fuuuuuuuuuuuuuuuuck! Por sinal os dois macacos não andam juntos nesta versão, você pode trocar, mas o outro some. O que deixa o jogo pior ainda são as estruturas das fases completamente sem inspiração e muitas vezes sem noção. Botaram até uma geleira na floresta, com um inimigo que é um porco de asas. Juro que tentei jogar mas não dá. É um desrespeito a obra original gente boa! AAAAU!

Tiveram coragem de por um suíno alado no jogo

Tiveram coragem de por um suíno alado no jogo

Diddy no navio

Diddy no navio





Donkey Kong Country – O Fenix em forma de macaco.

16 02 2009

Título: Donkey Kong Country
Lançamento: 1994
Empresa: Nintendo / Rare
Para: Super Nintendo
Conversões: Game Boy Color, Game Boy Advanced

“Se eu soubesse que ele seria o personagem principal um dia, jamais daria o nome de Donkey Kong.” Shigeru Miyamoto

donkey-kong-country_00006

Momento Seu Luís

Diferente da SEGA, a Nintendo não deixa títulos que um dia tiveram fama jogado as traças. A era dos 16 bits foi a disputa mais apertada jamais vista até hoje na historia dos games. Dois fatos foram relevantes pra Nintendo garantir essa geração como vitoriosa: a revolução gráfica e técnica, e a vacilada da Sega(chamada Sega Saturn). O ano de 1994 foi estremamente importante pra Nintendo. Era um momento que o mercado viva num tédio grande, onde as vendas não eram boas como nos tempos do 8 bits e inicio de 16. Jogos ruins nessa época era um convite um prejuízo enorme. Felizmente, por parte da Nintendo, vários títulos marcantes apareceram nesse ano: os cults Super Punch Out e Demon’s Crest e os grandes sucessos Final Fantasy 6, Super Metroid e finalmente a maior revolução gráfica veio com o título que abordaremos hoje: Donkey Kong country.

Fase que o Indiana Jones não aprova

Fase que o Indiana Jones não aprova

Tirar o macacão da tumba que não aparecia já a mais de 10 anos(sem contar as participações em jogos como Super Mario Bros.3 e Super Mario Kart),  teria que ter um verdadeiro bom motivo. E a Nintendo resolveu dar essa chance a RARE, famosa pelos impressionantes gráficos de Batletoads no NES. Os produtores foram a safaris observar gorilas de perto pra observar as reações e captar tudo pra o joguinho. Já as técnicas gráficas foram simulados em computadores animações de objetos feitos a partir de objetos de plásticos e de massa de modelar. Alguém lembra de algo parecido na época? O filme Toy Story da Pixar. E o resultado é esse jogo que impressiona e convence até hoje. Muitos são bons mas poucos conseguem ser tão marcantes.

Imitando o Madruga

Imitando o Madruga

Kong em família: No geral pouca coisa sobrou do Donkey original nesta versão. As únicas coisas são referencias na abertura como a musiquinha e o cenário do original, o fato de Donkey Kong atirar barrís e os barrís de oléo onde sai fogo.

Neste o Donkey de gravatinha é neto do Donkey original que aqui aparece com uns 80 anos com uma barba gigantesca e o apelido de Cranky. Com ele moram sua namorada Candy, o primo vagabundo Funky e a segunda estrela do jogo Diddy, o melhor amigo do Donkey. O Donkey neto proteje a floresta do grupo de crocodilos teroristas chamados Kremilins, liderados pelo Capitão K.Roll. Então eles atacam no ponto fraco do Donkey  – Sua coleção de bananas(e elas não se estragam?!?!), numa noite onde Diddy tinha ficado de sentinela, foi fácil pros grandalhões dominá-lo e levar as bananas. E agora começa busca de Donkey pelas bananas. Ei ninguém disse que a diversão está no roteiro!!!

Jogando: Bem, a parte de jogo não revolucionou tanto como o impacto gráfico. No geral lembra os jogos do Mario, porém você joga com dois personagens, podendo trocar a qualquer momento e a jogabilidade é mais rápida que nos jogos do Mario. Seus ataques são o tradicional pulinho na cabeça, o giro. O Donkey tambem pode bater no chão, porém o Diddy pode dar uma flutuadinha com seu giro, o que as vezes é essencial pra pegar alguns itens e passagens. De itens bananas(adivinha o que acontece quando junta-se 100) e as vidas que variam a quantidade de acordo com a cor. E se o Mario tem o Yoshi, os Kongs podem usar outros bichos – o rinoceronte que chifra inimigos e quebra paredes ocas, o peixe espada pra te ajudar a nadar e atacar na água, o avestruz pra voar um pouquinho e o sapão pra pular mais alto. Os mundos no geral são ambientes naturais realistas, mas há algumas fases também como fábricas e até um navio. São muitas fases, as vezes você pode sentir que é meio cansativo, mas quando cansar basta recorrer a Candy pra salvar.

Cheio de segredinhosssss

Cheio de segredinhosssss

Fase inesquecivel ivel

Fase inesquecivel ivel

Outra característica inesquecivel desse jogo é a trilha sonora que elevou os mids de snes a sua qualidade máxima. É praticamente uma orquestra, aposto que todo mundo sabe decorado a música das fases de água. Festival de Segredos: O que não falta nesse jogo são passagens secretas e itens escondidos. Desde de Super Marios Bros.3 não apareciam tantos segredos num só jogo. Pra fechar o jogo com 100% é preciso achar todos os bonus stages secretos. Eu disse 100%? Na verdade o contador do jogos chega a 101%. Deve-se ficar atento pois uma certa fase há um bonus escondido dentro de um bonus escondido, que graças a ele eu demorei muito pra fechar com 101%.

Conclusão: Há jogos e jogos. Quando um jogo não sofre com a ação do tempo e não é classificado por não ter um roteiro complexo, é porque é simplesmente uma produção baseada na qualidade do que mais importa: diversão.

Mais uma impossivel de esquecer

Mais uma impossivel de esquecer

Adaptações: Infelizmente as adaptações não fazem juz ao original. Uma pra Game Boy Color, não merecia nem existir. Já o GBA podia se ter feito um trabalho melhor. Há mais detalhes que no Super Nes pelos cenários, como por exemplo na primeira fase você verá lagartos e outras criaturinhas menores pelos cenários. Mas em compensação a resolução ficou nitidamente pior, as cores esquisitas e alguns efeitos sonoros estão mudados sem nenhum bom motivo pra isso. De extras interessantes há uma cutscene no inicio, figuras pra colecionar, bonus com a família kong(pescaria do Funky e Dança da Candy) e o velho Kong vem sempre no final das fases te dar um conselho.

Donkey Kong comendo um Klap Trap

Donkey Kong comendo um Klap Trap

 

Não tem nada haver com DK, mas na versão de GBA tem uma cena parecida com essa do Double Dragon 3

Não tem nada haver com DK, mas na versão de GBA tem uma cena parecida com essa do Double Dragon 3